segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Feliz 2013

Olá a todos! Vim dar-vos um Feliz 2013. Que concretizem os vossos sonhos e que 2013 seja melhor que 2012.

Beijos :)

O próximo capitulo só será postado quando tiver no minimo 3 comentários e de pessoas diferentes.


terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Nova Playlist

Olá a todos!
Já repararam que há uma nova playlist no blog. Espero que gostem. Há algumas músicas novas e outras que podem não conhecer se gostarem ou se não gostarem de alguma música digam, deem a vossa opinião. Algumas das músicas foram pedidas pela Diana (DSP), se quiserem algumas podem pedir.
Não postei um capitulo ontem porque só tive um comentário. Não posto enquanto só houver um comentário.

Beijos.

sábado, 22 de dezembro de 2012

Capitulo 4 - Parte 4

Olá a todos!
Obrigado pelos comentários. Talvez poste mais um capitulo dia 24 mas se não puder, Feliz Natal a todos!

Aqui está a parte 4 do capitulo 4.

Anteriormente:

Foi abrir pensando que nova crise de nervos teria que suportar mas quando deu com Joe Harris todo o cansaço pareceu sumir. Sentiu uma pontada de excitação e medo.
- Ah, é você!
...


- É disso que eu gosto: uma recepção calorosa em todo lugar que vou.
Demetria barrou-lhe a entrada, e por pouco não lhe fechou a porta na cara.
- O que você quer?
- Temos que marcar nosso compromisso.
- Que compromisso? - quis saber, desconfiada.
- Com Roberto, lembra?
Demetria lembrava. Tentou escapar:
- Ele foi muito amável em me convidar, mas...
- Sem essa de "mas". Roberto se ofenderia muito se eu aparecesse sem você. A mulher dele ficou encantada com os desenhos que fez para as meninas.
- Que bom! Mas acontece que ando muito ocupada.
- Ocupada? Com o quê?
- Trabalho.
- À noite?
Ele estava levando a coisa na brincadeira e Demetria se divertia intimamente com aquele pingue-pongue mas não demonstrou.
- Trabalho em todas as horas disponíveis. Tenho um editor muito exigente.
- Mude de editor, ora essa.
Joe empurrou a porta e forçou entrada. Antes que ela percebesse ele já estava dentro do apartamento.
- Espere aí - começou a dizer mas Joe colocou-lhe um dedo sobre os lábios sacudindo a cabeça.
- Não seja má! Você é uma garota dificil de lidar!
Foi entrando sem pedir licença e parou junto da prancheta de desenho, com as mãos nos bolsos, numa pose displicente de quem não tinha intenção de ir embora tão cedo.
- Você é muito inteligente!
- Que magnânimo!
- O que andou aprontando com Camilla? - perguntou, de repente, num tom desafiador que a deixou sem ação.
- O que disse? - A evasiva lhe daria tempo para pensar numa resposta.
- Camilla tinha um encontro comigo ontem à noite e não apareceu.
- Ah, é?
- Não sabia? Pensei que soubesse, pois algo me diz que tem dedo seu nessa história.
- Tenho certeza de que logo vai se consolar.
- Oh, sim, é o que vou fazer. - ele respondeu, tão tranquilamente que Demetria não gostou - Mas só por curiosidade, como você conseguiu? Gosto de saber dessas minúcias...para o futuro.
- Talvez Camilla tenha simplesmente se cansado. Essas coisas acontecem. - Fez uma pausa e sorriu - Mesmo com alguém tão fascinante como você.
- Engraçadinha! - Seu sorriso explodiu numa gargalhada - Mas nós dois sabemos que não foi bem assim, não é mesmo?
- Oh, claro! Seria inacreditável uma garota se cansar de você!
Joe acariciou o rosto de Demetria e aquele toque, apesar de leve, a perturbou.
- Eu podia me zangar seriamente com você - continuou ele ainda sorrindo - Não é dificil adivinhar que andou despejando veneno nos ouvidos de sua irmã. Não a conheço bem, mas o instinto me diz que tem algo de você nessa história.
- Então é bom se cuidar, não acha? - Demetria olhou acintosamente para o relógio - Estou muito ocupada Sr. Harris. Se não se incomodar...- E começou a se encaminhar para a porta da saída.
- Então, que tal amanhã à noite? - ele perguntou sem se mexer no lugar.
- Gostei muito de Roberto - disse ela suspirando com impaciência - E tenho certeza de que a mulher dele é encantadora, mas...
- Você deve ser fanática pela palavra "mas". Acontece que eu não sou. Amanhã à noite então?
- Não tente me pressionar Sr. Harris.
- Venho buscá-la às sete. E deixe as armas em casa amanhã. Não esqueça que Roberto tem ideias muito antiquadas sobre as mulheres além de admirar muito sua aparência angelical. Ele estranharia se você começasse a me bombardear durante o jantar.
Antes que ela encontrasse uma resposta ele saiu do apartamento.
Só depois que voltou, relutante, ao trabalho, percebeu que era a primeira vez em sua vida que encontrava um homem que não se assustava com seu génio forte e espirito independente.
Não estranhou ao saber que Camilla tinha dado o fora em Joe na véspera. Só ficou imaginando quanto tempo duraria a zanga da irmã.
Com certeza, dependeria da intensidade do amor de Camilla e das oportunidades que Joe teria para voltar a falar com ela. Logo que ele descobrisse quais tinham sido os argumentos de Demetria, poderia muito bem se justificar mentindo.
Será que mentiria? Analisou o caráter dele e chegou à conclusão de que Joe Harris não se preocuparia em mentir. Admitiria tudo rindo, e diria, cinicamente, que não havia passado de um brincadeira. E Camilla cairia nessa? Sim, era bem provável. Era bastante tola para esquecer o assunto, enquanto estivesse deslumbrada por ele.
Demetria desistiu de se concentrar no trabalho. Estava afetada demais pela visita de Joe Harris. Resolveu ir para a cozinha fazer um café.
Ficou tentada a telefonar a Camilla para descobrir em que ponto estavam as coisas mas achou mais prudente esperar.
Sentou na sala para ver um programa de televisão. Quando terminou o programa, o telefone tocou. Aquela hora da noite, só podia ser alguma notícia excepcional. E, num certo sentido, era pois quem estava do outro lado da linha era Tom, num estado de extrema euforia.
- Ela me deu o sim!

Pronto.
Fim de Joemilla. Isso tinha que acontecer afinal a história é Jemi. Gostei de escrever sobre Joemilla. Gosto deles até. Espero que vocês tenham gostado também.

Beijos.

sábado, 15 de dezembro de 2012

Capitulo 4 - Parte 3 (Dedicado a Diana (DSP))

Olá a todos!
Obrigado pelos comentários!
Este capitulo é especial aniversário Diana (DSP), essa escritora fantástica!

Anteriormente:

Demetria varreu os cacos considerando que a perda de uma xícara era um preço muito barato para colocar Joe fora de cena.
Voltou para o trabalho já mais serena e, dessa vez, conseguiu concentrar-se.
...

Capitulo 4 - Parte 3



Seu editor telefonou na manhã seguinte muito animado.
- Só estou checando os progressos do novo livro. Como vai indo?
- Pare de se atormentar Nick. Está tudo sob controle.
- Acha que vai terminar a tempo?
- Se as pessoas não ficarem me interrompendo a toda a hora com telefonemas acho que sim.
- Desculpe - disse ele rindo - Escute, atrapalharia muito se você almoçasse comigo? Faz tempo que a gente não se vê. Na próxima quarta-feira não tenho nenhum compromisso.
- E você quer preencher esse vazio na sua agenda?
Nick Collins era um dos sócios da casa editora: um homem combativo, audacioso e extravagante com grande senso de humor. De vez em quando eles se encontravam socialmente mas o relacionamento dos dois nunca tinha passado dos estritos limites de camaradagem e amizade.
Nick vivia num ritmo alucinante e falava pelos cotovelos sempre com novas ideias borbulhando na cabeça e coragem suficiente para colocá-las em prática.
- Gostaria de ter uma agradável conversinha com você. Estou com uma ideia maravilhosa.
- Só espero que não seja inviável. - disse Demetria lembrando de algumas das ideias dele.
- Vamos discutir isso pessoalmente. Que tal na próxima quarta?
- Ótimo. - concordou logo sabendo que ele insistiria até que ela aceitasse. Quando Nick enfiava uma daquelas ideias geniais na cabeça era incansável.
- Combinado!
Ele era o único sócio-diretor da firma com quem Demetria tinha contato. O sócio-presidente ficava isolado num escritório impenetrável. Comentava-se que, às vezes, ele deixava seu esconderijo para cumprimentar alguns de seus autores de maior sucesso, num gesto de condescendência imperial, para depois voltar à sala do trono, deixando a Nick o encargo de tratar dos assuntos mais mundanos.
Depois de desligar o telefone, Demetria voltou ao trabalho satisfeita. Gostava de ser tratada como profissional e não como uma mulher bonita. Esse, em parte, era o motivo de sua vida sentimental ter sido uma série de fracassos. Os homens só se interessavam pela aparência. Nunca pelo que pensava e sentia. Ou então, devia atrair apenas os tipos errados.
Na verdade, nem ela sabia o que esperava do amor. Talvez, uma explosão da genuina atração sexual, algo que nunca havia sentido e que, às vezes, achava que jamais sentiria.
Fez uma pausa para um almoço rápido e, em menos de uma hora, voltava ao trabalho.
Quando a campainha tocou no meio da tarde, endireitou-se, sentindo uma dor nas costas e uma pontada na nuca.
Será Camilla novamente?
Foi abrir pensando que nova crise de nervos teria que suportar mas quando deu com Joe Harris todo o cansaço pareceu sumir. Sentiu uma pontada de excitação e medo.
- Ah, é você!

Pronto.
Comentem, por favor!

Beijos.

Nova personagem

Olá a todos!
Aqui está um novo personagem!



Nick Collins

Finalmente apareceu o Nick!

Parabéns Diana (DSP)

Oi. Eu queria dar os parabéns à escritora de terror do Blogger mais popular.
A forma como ela escreve é realmente muito bom. Ela nos faz rir e chorar, nos emocionar com as suas histórias.
Hoje, dia 15 de Dezembro, é um dia especial para a nossa escritora. Vamos dar-lhe os parabéns!

Ela merece!


sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Happy birthday Vanessa Hudgens

Oi. Apenas vim para dar os parabéns a uma cantora e atriz que eu adoro: Vanessa Anne Hudgens. Faz hoje 24 anos. (14 de Dezembro de 1988)


Deixo aqui algumas das fotos que mais gosto dela:














Ela é linda e ninguém pode dizer o contrário. É uma excelente atriz e cantora.

sábado, 1 de dezembro de 2012

Capitulo 4 - Parte 2

Olá a todos!
Obrigada pelos comentários.

Anteriormente:

- Não, só queria saber se ganhei uma aposta.
- Que aposta?
 ...

Capitulo 4 - Parte 2


Demetria encheu a chaleira de água e acendeu o gás. Camilla ficou rondando, toda agitada.
- Que aposta? - repetiu.
- A aposta que fiz com Joe Harris.
- O quê?
- Se for tomar o chá, pode fazer o favor de pegar o leite na geladeira?
- Não acredito no que você diz. Está mentindo Dem. Conheço muito bem como funciona essa sua mente diabólica. Você é minha irmã, eu te conheço. Está tentando me afastar dele.
- E porque faria isso? Se acha mesmo que estou a fim de conquistar Tom não faz sentido impedi-la de ir para Paris com outro homem.
Camilla pensou no assunto mordendo o lábio com uma expressão infantil de perplexidade.
- Por favor, o leite. - Demetria lembrou, e a irmã abriu a geladeira, automaticamente, entregando-lhe a garrafa.
- Joe apostou com você que me levaria a Paris?
- Sujeito convencido não acha? - Demetria deu-lhe um sorriso de solidariedade - Ele está crente de que pode manejar você feito um fantoche.
- O quê? Ele acha isso? Que animal! E fez uma aposta com você? Tenho vontade de gritar de tanto ódio!
- Aqui não. Os vizinhos podem reclamar. Tome um pouco de chá.
Camilla aceitou a xícara sem sequer perceber o que fazia.
- Então, aquele miserável apostou com você que eu iria a Paris com ele?
Estava transtornada e parecia ter dificuldade para respirar.
- Ele estava muito seguro.
- Ah, verdade?
Camilla perdeu o controle e a xícara voou de sua mão, espatifando-se no chão e espalhando chá e cacos pela cozinha. Furiosa, ela saiu do apartamento feito um furacão.
Demetria olhou para os cacos e fez um esforço para não rir.
Pobre Camilla! Nem precisou mentir para ela. Bastou falar a verdade. Apesar de a irmã estar indignada, Demetria teve a impressão de ter ouvido um certo alívio em sua voz. Devia ser aquela pequena dose de bom senso voltando à tona. Indiscutivelmente, Tom ganhava longe em matéria de boas intenções e Camilla não era do tipo de tatear no escuro. Um futuro seguro e garantido era uma ideia que atraía muito. Podia ter sido tentada pela bela aparência e pelo magnetismo de Joe Harris mas tudo que teria dele era um prazo imediato e fugaz.
Demetria varreu os cacos considerando que a perda de uma xícara era um preço muito barato para colocar Joe fora de cena.
Voltou para o trabalho já mais serena e, dessa vez, conseguiu concentrar-se.

Pronto.

Beijos.

domingo, 25 de novembro de 2012

Capitulo 4 - Parte 1

Olá a todos!
Obrigada pelos comentários. Sejam bem-vindas as novas seguidoras. Que bom que gostam.

Capitulo 4 - Parte 1



Naquela tarde, Demetria não conseguia se concentrar no trabalho e ficou até chocada ao constatar que o motivo de sua desatenção era Joe Harris.
Quando a campainha da porta tocou, deu um pulo. Quem seria? Será que não teria um momento de paz?
Encontrou Camilla, languidamente encostada no batente da porta numa de suas clássicas poses de efeito.
Demetria encarou-a, sem surpresa, e com indisfarçado aborrecimento.
- E agora, o que é que há?
- Tenho umas coisinhas para dizer a você. - E foi entrando sem esperar o convite.
Demetria fechou a porta e seguiu-a, respirando fundo.
- O que é que está pretendendo? - perguntou a irmã com as mãos na cintura. - O que, afinal, estava fazendo com Tom na minha festa? Você está dando em cima dele, não é?
Para ganhar tempo e pensar numa boa resposta, Demetria ajeitou os cabelos e perguntou:
- Cam, aceita um chá?
- Eu fiz uma pergunta!
- Aliás, uma pergunta muito cretina.
- Só responda.
- Muito bem. Você não quer nada com Tom então não entendo porque está tão interessada no que ele faz ou deixa de fazer e com quem faz.
- Era o que eu imaginava! - Arreganhou os dentes como uma pantera enraivecida - Demi, você estava querendo fisgar Tom.
- Se eu estava não era uma proeza assim tão difícil senão ele não teria caído no seu laço.
Camilla ficou engasgada.
- Ah...é assim? - Sua expressão mostrava que tentava pensar rápido e Camilla não era boa nisso. Não conseguia pensar e falar ao mesmo tempo.
Agora que estava descontrolada, Demetria resolver dar o golpe de misericórdia.
- Então, pronta para ir para Paris? - perguntou, dirigindo-se para a cozinha.
- E o que tem se eu for?
- Nada ora. Mera curiosidade.
- Você quer ter certeza para poder contar ao Tom, não é?
- Não, só queria saber se ganhei uma aposta.
- Que aposta?

Pronto.

Beijos.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Capitulo 3 - Parte 6

Olá a todos!
Obrigada pelos comentários!

Anteriormente:

Camilla era do tipo que não resistia à tentação de agarrar algo que desejava e o facto daquele homem ser tão cinicamente evasivo só o tornava mais desejável aos olhos dela. Era uma técnica que Joe Harris usava por isso, sabia o que estava dizendo.
...

Capitulo 3 - Parte 6




Almoçaram a bordo de um barco. As meninas estranharam a comida mas o pai tentou convencê-las a comer.
- As crianças sempre estranham paladares desconhecidos - Demetria comentou quando Alicia deu a primeira garfada. - Mas acho que vão gostar dos hambúrgueres.
Alicia levantou os olhos do prato e repetiu:
- Hambúrgueres!
Todos riram.
- Batata. - Alicia acrescentou, entusiasmada com seu sucesso.
- Você está começando a falar inglês muito bem. - disse Demetria e Roberto traduziu sorridente.
Alicia ficou no auge da satisfação.
A outra menina deu um profundo suspiro e Roberto olhou-a, com indulgência e comentou:
- Ela não quer comer. Mas devia experimentar. Todos nós devemos aprender a gostar das coisas, não é?
- Gosta de comida inglesa, Roberto? - perguntou Demetria.
- Gosto de ovos com bacon. Aliás, em Espanha também há isso.
- Nunca experimentei pratos típicos espanhóis portanto vocês ganhou de um a zero.
O Roberto sorriu.
 - Precisa experimentar. - Roberto virou-se para Joe - Talvez uma noite possa trazer Demetria a jantar em minha casa. A minha mulher ficaria muito contente por conhecê-la. Ainda não conheceu muitas moças inglesas e quer fazer amizades enquanto estiver aqui.
Joe olhou para ela, irónico.
- Tenho certeza de que Demi adoraria conhecer sua esposa.
Pressionada, ela não teve outra saída senão confirmar.
- Oh sim, eu adoraria.
- Eu sabia que sim. - Joe fez questão de frisar.
Demetria olhou para ele com vontade de esganá-lo mas seus lábios se abriram num sorriso meloso.
Quando desembarcaram, após o almoço, Demetria começou as despedidas.
- Tive muito prazer em conhecê-lo. Espero que aproveite bem o restante de sua estadia na Inglaterra.
- Mas nós vamos nos encontrar de novo. Você prometeu. A minha mulher e eu queremos ensinar você a gostar de comida espanhola.
Joe acompanhou o diálogo com um brilho malicioso nos olhos.
- Pode deixar que eu a levarei. Vamos combinar esse encontro para breve. chamo um táxi para você, Demi?
- Vou a pé mesmo.
- Não com todas essas tralhas.
- Já estou acostumada. Sempre venho a pé para o parque.
- Mas dessa vez vai tomar um táxi.
Demetria começou a argumentar mas viu que ele não fez caso e resolveu fechar a boca.
Joe empurrou-a e sussurrou, por entre os dentes:
- Obrigado. Roberto espera que uma dama inglesa tenha boas maneiras.
- Sinto desapontar Roberto mas costumo dirigir a minha própria vida e isso inclui andar a pé quando estou disposta em vez de tomar um táxi sem necessidade.
- Desnecessário ou não eu ofereci. Se recusasse como ficaria a minha cara?
- Parece que você está mais preocupado com sua cara do que Roberto com a dele.
- Eu o conheço. Você não. Ele ficaria horrorizado só de pensar em você carregando toda essa tranqueira debaixo do sol forte.
- Não sou feita de açúcar.
- Roberto acredita que todas as mulheres são doces.
- Então, é tempo de ele olhar em volta e ver que não é assim.
Joe deu um profundo suspiro de aborrecimento.
- Você está começando a encher a minha paciência.
Fez sinal para o táxi que parou junto à calçada e colocou os apetrechos de trabalho de Demetria no banco de trás.
- Seu endereço?
Demetria disse, sem pensar, e só depois de ver a expressão daqueles olhos pretos é que teve uma suspeita.
Ele repetiu o endereço ao motorista e o táxi partiu.
Demetria ficou mordiscando o lábio, sentindo um calafrio de alerta percorrendo-lhe a espinha. Não tinha gostado do jeito como Joe Harris sorriu ao se despedir dela.

Pronto.
Será que o Joe tinha pensado em algo quando pediu o endereço à Demi?
Verão no próximo capitulo.

Beijos.


sábado, 3 de novembro de 2012

Capitulo 3 - Parte 5

Olá a todos!
Obrigado pelos comentários.
CathieLively-* Sim, é meio flirt embora eles se odeiem.

Anteriormente:

Roberto e as meninas foram andando adiante e Joe ficou ao lado de Demetria, olhando-a atravessado.
- Sua intenção foi me humilhar?
...

Capitulo 3 - Parte 5


- Espelho meu! - murmurou Demetria.
- O quê?
- Nada. Só me lembrei de uma história infantil.*
- Infantil foi sua atitude em querer me rebaixar na frente de Roberto.
- Quanto drama por uma coisinha à toa.
- Não brinque comigo moça, ou vai se dar mal. Domine seus impulsos perto de Roberto.
Demetria olhou séria para Joe.
- Se você repetir suas insinuaçõezinhas de mau gosto a meu respeito vai ter o que merece.
Ele parou surpreso.
- O que há? Lições de moral para cima de mim?
- Não estou blefando. - Demetria garantiu, continuando a andar.
Joe logo a alcançou.
- Essa é sua vingança pelo que eu disse há pouco tempo sobre as mulheres?
- É meu aviso sobre o que poderá acontecer se tentar dar a Roberto uma falsa impressão sobre mim.
- Você é mesmo farinha do mesmo saco. Minha primeira impressão sobre você estava certa. Não pode negar que é filha de seu pai.
- Não posso mesmo.
- Gostaria de poder?
- Se você está querendo saber o que penso de meu pai não gaste suas energias: eu nunca lhe diria.
- Porque não?
- Porque não é da sua conta e porque sei muito bem que não gosta dele.
Joe deu uma risada.
- Não gosto dele é bondade sua. Eu o odeio.
- Porquê?
- É uma longa história - foi só o que disse e ela teve certeza de que não lhe contaria mais nada. Nesse momento, Demetria pressentiu que, qualquer que fosse a razão da animosidade entre Joe Harris e o pai, os negócios nada tinham a ver com o problema.
- É por isso que você está caçando Camilla?
Ele lançou um daqueles seus olhares irónicos.
- Pensei que fosse o contrário.
- Quanta modéstia Sr. Harris!
- Ela é uma mulher portanto deve ser vencida.
- Estou começando a desejar que Camilla o derrote. Gostaria de vê-lo entregar os pontos.
- Sinto ter que desapontá-la.
- Não cante vitória antes do tempo.
- Sei o que estou dizendo.
- Pois eu acho que ela não gostaria de saber disso.
- Pois eu tenho certeza de que se sentiria enraivecida. É como ela se sente: uma presa a ser caçada.
Será mesmo?, pensou Demetria. Provavelmente. Era enervante saber que ele conhecia Camilla tão bem. Seria mais fácil se estivesse errado mas tudo levava a crer que estava certo.
Camilla era do tipo que não resistia à tentação de agarrar algo que desejava e o facto daquele homem ser tão cinicamente evasivo só o tornava mais desejável aos olhos dela. Era uma técnica que Joe Harris usava por isso, sabia o que estava dizendo.

Pronto.

Beijos.

* A história que a Demi lembrou foi a Branca de Neve. A Demi está a usar a madrasta da Branca de Neve para descrever Joe.

domingo, 28 de outubro de 2012

Capitulo 3 - Parte 4

Olá a todos!
Obrigado pelos comentários.

Anteriormente:

- Tentar derreter a rainha das neves? Você estende os braços para manter os homens à distância ou é justamente o contrário?
Demetria sentiu-se perturbada com aquele olhar.
...

Capitulo 3 - Parte 4



Tudo nele emanava sensualidade e o pior era que despertava sua sensualidade. Teve que lutar para não ser dominada. Deu uma passo atrás segurando a prancheta de desenho como se fosse sua única arma no momento.
- Você tem sempre que tirar conclusões sobre o que os outros sentem ou deixam de sentir, não é?
- É o hábito que você tem que me obriga a isso.
- E você tem o hábito de fazer observações irrelevante. - revidou Demetria com vontade de bater nele com a prancheta.
Joe pareceu adivinhar seus pensamentos pois provocou:
- Se estiver com vontade não faça cerimónia.
Ela preferiu ignorar isso e partir para a única evasiva disponível.
- Que hábito é esse que eu tenho?
- De provocar os outros e depois tirar o corpo fora.
- Acho que você me interpreta mal.
- Não concordo.
- E faz isso de propósito. - acrescentou encarando-o.
- Ah, é que sou realista. Você parece não conhecer seu próprio sexo ou então finge que não conhece. As mulheres são como os gatos: um homem sábio pode brincar com eles mas nunca se arrisca a possuir um. Dê a uma mulher a impressão de que ela está por cima e nos fará sofrer as penas do inferno. Assim como o gato, a mulher gosta de usar as unhas e adora arranhar os desprevenidos que as afagam.
- Não gosta mesmo de nós, não é verdade?
- Ao contrário, gosto muito de vocês. Tenho um fraco por coisas bonitas.
Demetria respirou fundo.
- É melhor irmos atrás de Roberto. ele deve estar estranhando nossa demora.
Demetria segui-o pensando. Até certo ponto, ele tem razão no que diz sobre as mulheres. Pelo menos, no caso de Camilla. A irmã desprezava o pobre e inofensivo Tom porque o dominada como um gato domina um rato. Realmente, era uma reação felina. Usava as garras para feri-lo mas vinha ronronando se sentia alguma ameaça a seu domínio.
Camilla possuía bom senso suficiente para saber que, com Joe, não podia mostrar as unhas. Demetria tinha observado isso na festa e era esse detalhe que fazia Joe Harris tão perigoso.
Encontraram Roberto e as filhas perto do canal olhando a passagem de um barco cheio de turistas. As meninas acenavam para eles aos pulos e alguns retribuiam as saudações.
- Ah, aqui estão eles. - disse Roberto - começava a pensar que tinham fugido juntos.
- Bem que me passou pela minha cabeça. - disse Joe brincalhão.
- Mas não passou pela minha - Demetria acrescentou, e os olhos castanhos de Roberto brilharam, divertidos.
Joe riu mas foi um riso forçado.
O comentário feriu sua vaidade, pensou Demetria. Tal como Camilla, ele se achava irresistível.
Roberto e as meninas foram andando adiante e Joe ficou ao lado de Demetria, olhando-a atravessado.
- Sua intenção foi me humilhar?

Pronto.

Beijos.

domingo, 21 de outubro de 2012

Capitulo 3 - Parte 3

Olá a todos!
Obrigado pelos comentários.

Anteriormente:

O outro concordou e foi caminhando com as filhas. Quando afastaram o suficiente, Demi olhou para Joe impaciente.
- Porque foi dizer aquilo? Eu não pretendia aceitar.
...

Capitulo 3 - Parte 3



- Eu sei. Foi por isso que aceitei em seu lugar. Roberto tem ideias muito antiquadas sobre gratidão. Podia se ofender se recusasse seu agradecimento depois do favor que você prestou às crianças. Ele sairia daqui se condenando por não ter retribuído à sua gentileza e seria capaz de guardar esse remorso por anos a fio.
Ela riu do ar que ele fez.
- Não diga absurdos!
- Estou falando sério. Você não o conhece. Ele tem idolatria pelas filhas e qualquer favor que façam a elas é como se fizessem a ele.
- Uma bela atitude.
- Realmente. Roberto é um sujeito fabuloso e eu o admiro.
- Onde aprendeu a falar Espanhol? - perguntou Demetria enquanto desmontava o cavalete.
- Tenho jeito para línguas. Aprendo só de ouvir. É um dom.
- Um dom muito útil. Eu já não tenho essa espécie de talento.
- Mas tem talento de sobra em outros sentidos.
- Não desperdice seu tempo flirtando comigo.
- Não vai adiantar?
- O quê?
- Tentar derreter a rainha das neves? Você estende os braços para manter os homens à distância ou é justamente o contrário?
Demetria sentiu-se perturbada com aquele olhar.

Pronto.

Beijos.

sábado, 13 de outubro de 2012

Capitulo 3 - Parte 2

Olá a todos!
Obrigada pelos comentários.

Capitulo 3 - Parte 2

Anteriormente:

No desenho, Alicia corria ao lado de uma garça agarrada a uma de suas asas.
- Porque será que tive a impressão de que essa ave sou eu? - Harris perguntou.
...



Demetria não respondeu. Estava entretida, desenhando outra cena para a menina menor. Dessa vez, fez a outra garotinha montada nas costas da garça que parecia correr desabaladamente.
Muito alvoroçadas e tagarelas, as duas compararam seus desenhos e depois agradeceram a Demetria com uma série de mesuras.
- Foi muita gentileza sua. - disse Joe quando as garotas foram se sentar na grama.
- Gosto de crianças. Quando eu era menina tive uma boneca e nunca me largava dela. Tratava dela como se fosse algo precioso. Acho até que ainda tenho. Sou do tipo que guarda tudo.
- Eu sou justamente o contrário. Desfaço-me de tudo logo que posso. Não gosto de complicar a vida com coisas de que não preciso.
- Assim como uma esposa, por exemplo.
Assim que disse isso, Demetria se arrependeu. Apressada, ela mudou de assunto.
- O que está fazendo com essas crianças?
- O pai delas é meu amigo. Ele está aqui numa missão comercial. A mulher foi fazer compras e eu me ofereci como Babysitter.
Aquilo não combinava muito com a imagem que fazia de Joe. Não o imaginava como um homem que gostasse de crianças. Naquela manhã, ele estava de terno azul-claro, muito bem talhado, com uma camisa num tom mais escuro. Porque usar uma roupa tão cara e formal para ir ao zoológico? Talvez para impressionar o amigo espanhol, imaginou Demetria. Teria sido tambem por esse motivo que se oferecera para pajear as crianças?
Ficou avaliando a roupa minuciosamente e, quando levantou os olhos, deu com duas sobrancelhas franzidas numa interrogação.
- Qual é o seu veredicto?
Solenemente, ela respondeu:
- Passável.
- Quanta bondade! Pois eu tenho que confessar que você está muito atraente Demetria. O que é estranho é que jeans ficam muito sexy nas moças principalmente quando usam uma medida menor do que seu manequim.
Involuntariamente, Demetria examinou seu jeans.
- O meu não é... - começou a se defender mas parou bruscamente e deu um sorriso - Você é muito engraçadinho, não? E não me trate por Demetria mas sim Demi por favor. Demetria só para desconhecido.
Joe Harris sorriu. As garotinhas tinham levantado e estavam muito alvoroçadas, falando com um espanhol sorridente que acabara de chegar. Ele admirou os desenhos antes de se dirigir a Demetria e Joe.
- Roberto. Quero lhe apresentar Demetria Smith. Demi, este é Roberto García.
O homem estendeu a mão para Demetria, que a agarrou.
- Muita gentileza sua fazer desenhos para as minhas filhas. - agradeceu, num inglês pitoresco - Minhas filhas ficaram muito contentes e levarão os retratos como lembrança da viagem.
- Fico feliz que tenham gostado.
Ele olhou para o cavalete.
- Senhorita pintora?
Demetria explicou tudo de novo e ele ficou ouvindo atento e muito compenetrado.
- Você também escreve as histórias? - perguntou Joe.
- Sim. Faço texto e ilustração.
- Talentosa... - comentou Joe.
O espanhol perguntou:
- Já terminou o trabalho hoje?
- Acho que sim. Pelo menos já fiz o que tinha que fazer aqui.
- Posso oferecer o almoço? As crianças vão adorar.
Roberto falou com as crianças que deram pulos de alegria.
- Viu? Elas esperam que a senhorita aceite.
Demetria hesitou. Se Joe Harris não estivesse junto teria prazer em aceitar pois estava encantada com as crianças.
- É muita bondade... - começou a dizer com uma inflexão de recusa na voz.
Joe interrompeu segurando-lhe o braço.
- Ela irá com prazer. Porque não vai andando na frente com as crianças Roberto? Eu irei com Demi logo que tivermos recolhido todo o material.
O outro concordou e foi caminhando com as filhas. Quando afastaram o suficiente, Demi olhou para Joe impaciente.
- Porque foi dizer aquilo? Eu não pretendia aceitar.

Pronto.

Beijos.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Capitulo 3 - Parte 1

Olá a todos!
Obrigada pelos comentários.

Capitulo 3 - Parte 1



Numa manhã de verão um passeio ao Jardim Zoológico era um programa agradável mesmo que ela tivesse que carregar todos os apetrechos necessários ao seu trabalho. Precisava de uma garça como modelo. Fotografias não eram suficientes.
Demetria apressou o passo com uma sensação de bem-estar que não sabia explicar. Simplesmente tinha acordado assim, com uma enorme vontade de viver, que fazia com que tudo lhe parecesse novo e excitante.
A caminho do zoológico, ao atravessar uma rua de muito trânsito, por um triz não foi atropelada pelas rodas de um automóvel.
- Quase a peguei, hein? - gritou o motorista rindo mas com um dedo em riste, acusador.
- Tente amanhã de novo. - respondeu, devolvendo o sorriso, pois estava de tão bom humor que nada parecia atingi-la.
E foi com esse animo que entrou no parque em busca de sua garça. Quando a encontrou, numa das lagoas, fez uma série se esboços procurando reproduzir em todos os detalhes os movimentos da ave.
Estava terminando o trabalho quando viu um grupo de visitantes espanhois, com suas máquinas fotográficas. Demetria olhava para o grupo com vago interesse e reconheceu Joe Harris no meio deles, segurando duas crianças espanholas pela mão. Ficou pasma ao perceber que ele falava em espanhol e devia se fazer compreender muito bem, a julgar pelos risinhos que as crianças davam a cada frase que dizia.
Assim que a viu, Joe aproximou-se, ainda acompanhado das meninas. Deviam ter cinco e sete anos, calculou Demetria, e pareciam irmãs.
- O que está fazendo aqui? - perguntou, olhando primeiro para ela e depois para o cavalete de pintura.
- Trabalhando.
- Trabalhando? Você é uma artista plástica?
Demetria não gostou muito de seu exagerado tom de surpresa.
- Ilustro livros infantis.
- E seus trabalhos são publicados?
Demetria teve vontade de dar uma resposta malcriada mas disse apenas:
- Sim. - fez uma pausa e acrescentou, com orgulho: - E vendem bem.
- Que maravilha! - ele comentou, num tom sério, mas com um sorrisinho irónico.
Olhou-a de alto a baixo, parando na blusa de algodão fininha e sem alças que aderia aos seios pequenos e firmes. Demetria corou diante daquele exame atrevido. A última coisa que queria na vida dela era ser alvo das atenções de Joe Harris.
Uma das garotinhas sacudiu a mão dele e disse alguma coisa em espanhol apontando para os desenhos de Demetria.
- Alicia gostou. - Joe explicou.
Demetria arrancou a folha do cavalete e sorriu para Alicia.
- Se ela ficar um pouco parada vou fazer um retrato como lembrança.
Joe traduziu a proposta e a menina abriu um grande sorriso de satisfação. Ficou quietinha, revirando de vez em quando os olhinhos, para fiscalizar o que Demetria fazia.
Quando ela terminou e lhe deu a folha de papel, Alicia e a irmã caíram na risada com o desenho. Joe olhou por cima de suas cabecinhas e também riu.
No desenho, Alicia corria ao lado de uma garça agarrada a uma de suas asas.
- Porque será que tive a impressão de que essa ave sou eu? - Harris perguntou.


Pronto.

Beijos.

Novas personagens

Olá a todos!
Aqui está mais três personagens novas.





Roberto García
(Robert Pattinson)




Alicia García
(Suri Cruise)




Andrea García
(Keira Knightley em criança)


OBS. São espanhóis. É essa a razão dos novos nomes dos personagens.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Parabéns Camilla Belle

Olá a todos! Vim dar os parabéns à fantástica atriz Camilla Belle que completa hoje, dia 2 de Outubro, 26 anos.

















Eu conheci esta atriz depois de ter saber que o Joe Jonas andava com ela. Eu já era fã do Joe e conheci-a. A partir desse dia eu passei a adorá-la. E agora eu sigo todos os filmes em que ela participa. Adoro-a.

Que ela tenha muitos mais anos de vida e que interprete muitas mais personagens.

Parabéns Camilla Belle Routh.

domingo, 30 de setembro de 2012

Capitulo 2 - Parte 7

Olá a todos!
Obrigada pelos comentários.

Capitulo 2 - Parte 7

Anteriormente:

- Você não parece ter muita fé em meu irmão.
Ele sorriu, cruzando os talheres.
- E você tem?
...



Demetria não sabia o que dizer. O pai deu uma risada sonora diante de sua confusão.
- Não muita, não é mesmo? Mas, seja como for, ele ainda é meu filho e quero que esteja à testa dos negócios. Não vou entregar tudo a um arrivista, de olhos no poder e sem o mínimo senso ético.
Demetria imaginou se o pai não estaria começando a caducar ou tinha mudado seus conceitos. Agora que havia chegado ao topo, queria assegurar seu lugar e ter certeza de que o filho herdaria tudo. Se temia tanto Joe Harris a razão disso eram as inúmeras qualidades que ele possuía e que reconhecia serem semelhantes às dele. Via o perigo no outro porque sabia como ele próprio agiria em seu lugar.
- Você não devia se preocupar tanto. Não acredito que Joe Harris tenha qualquer intenção de casar com Camilla, nem de assumir o controle da empresa.
O pai não pareceu muito confortado com aquelas palavras.
- Então, quais são as intenções dele?
- Só se divertir.
- Desgraçado! O que vamos fazer com ele?
- Não vejo o que possamos fazer. Cam já é adulta, pelo menos na idade.
- Imagino que está apaixonada por ele.
- Nem por sonho.
O pai ergueu a cabeça incrédulo.
- Não?
- É mera questão de vaidade. Mas você conhece a Cam: não adianta tentar convencê-la quando quer alguma coisa.
- E ela quer Harris?
- Se quer! E ele está prontinho para satisfazer esse desejo. Não há nada, absolutamente nada, que possamos fazer. Já falei com ela. Se quiser fazer mais do que já fiz, fica a seu critério.
George Smith jogou o corpo para trás, empurrando a cadeira.
- Deve haver algum meio de fazê-la compreender em que embrulhada vai se meter.
Demetria olhou para as horas.
- Preciso correr. Tenho um compromisso agora à tarde. Se tiver alguma ideia ligue para mim. Você sempre pode dar um tiro em Joe Harris.
Demetria levantou e o pai lançou-lhe um olhar ressentido.
- Não duvide. Um dia, eu acabo fazendo isso.

Pronto.

Beijos.

Novo selo

Olá a todos! Recebi mais um selo! Obrigada Mayara.





Passar para 3 blogs:





Já a seguir vem o próximo capitulo.

Beijos.


domingo, 23 de setembro de 2012

Capitulo 2 - Parte 6

Olá a todos!
Obrigado pelos comentários.

Capitulo 2 - Parte 6

Anteriormente:

- Está bem. Acredito que você não goste dele.
- Detesto, se quer saber.
 ...




No dia seguinte disse a mesma coisa ao pai. Tinham ido almoçar juntos e era a primeira vez que o via depois de meses. Achou-o muito envelhecido. A roda-viva dos negócios tinha deixado marcas profundas naquele rosto.
- Como vai a firma?
Ele enconlheu os ombros.
- Tivemos uns probleminhas. e quem não os tem? Cada ano fica mais dificil para fazer novos negócios. E sobre Camilla, o que você está fazendo para pôr um ponto final no caso? Não vai querer deixar as coisas como estão, vai? Bem que lhe disse que aquele homem era um canalha. Um sujeito sem escrúpulos. Veja só a maneira como nos deixou: carregou nossos melhores técnicos em eletrónica para montar a STL. Mas o que foi que achou dele?
- Em resumo, eu o detestei.
- Ele é esperto. - disse George Smith com indisfarçável admiração. - Não segue muito a ética quando quer alcançar seus objetivos. Tem espírito de liderança e muita energia e conhece o ramo de computadores a fundo. Tenho vontade de morrer quando penso que perdi um elemento desses.
Demetria fazia ideia: para o pai os negócios estavam acima de tudo. Por causa deles, tinha afastado gradativamente a esposa da vida dele. Raramente estava em casa e quando estava tratava Sarah Smith com indiferença. Ele encarava tudo e todos em termos de utilidade imediata e a esposa havia perdido essa utilidade logo no começo do casamento.
A empresa era o que mais o interessava na ocasião. Sarah era filha única e George queria ter o controle da firma do pai dela. Uma vez casado perdeu todo o interesse pela mulher: só a via como a mãe dos seus filhos. Pelo que Demetria sabia, o pai não tinha sido infiel. Era de temperamento frio demais para se envolver sentimentalmente com outras mulheres. Tão frio e indiferente que levou Sarah a uma morte prematura. George Smith não era como Joe Harris que, pelo menos, se interessava pelas mulheres sexualmente. George simplesmente as ignorava.
Olhando para aquele rosto cansado e abatido, Demetria imaginou se realmente havia algum problema sério na firma ou se ele estava apenas envelhecendo.
- Mesmo que ele tivesse intenção de casar, eu faria tudo para impedir Harris pôr as mãos na minha empresa! - disse o pai - Transformaria Zachary num joguete. Zachary não é parada para ele. - Pegou um copo de vinho, tomou o restante e tornou a encher - Para ser franco, Zachary não é parada para ninguém. - acrescentou, e Demetria, de repente, sentiu pena do pai.
Percebeu que o irmão era uma decepção para o pai. Zac só fazia o que ele mandava e se isso, um dia, tinha sido uma qualidade que apreciava no filho, agora se dava conta de que aquela maleabilidade era mais uma falha do que virtude.
- Tom é o homem que quero para Camilla. Ele vai dar um bom marido. É honesto e de bom carácter. Tom nunca tentaria derrubar Zachary. Ele o assessoraria. Já Harris é perigoso, mas sabe que tenho bom faro. Enquanto eu viver, Zachary estará garantido. Mas, no dia em que eu morrer, não será dificil que alguém sem escrúpulos se aposse da firma.
- Mas Zac sempre estaria escorado por ser um acionista majoritário, não é?
- Harris o derrubaria sem muito esforço. Se ele falasse com os outros acionistas sobre seus pontos de vista, Zachary seria descartado na mesma hora.
O pai nunca trata os filhos por apelidos, sempre com o nome próprio. Isso por momentos irritava Demetria mas ao mesmo tempo já estava habituada.
- Você não parece ter muita fé em meu irmão.
Ele sorriu, cruzando os talheres.
- E você tem?

Pronto.
Qual será a resposta da Demi? No próximo capitulo saberão.
Comentem por favor.

Beijos.

Novo personagem

Olá a todos!
Venho aqui apresentar mais um personagem novo.


Sarah Smith

Mãe da Demi, do Zac e da Camilla.

Em breve posto o próximo capitulo.

Beijos.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Capitulo 2 - Parte 5

Olá a todos!
Obrigada pelos comentários.

Capitulo 2 - Parte 5

Anteriormente:

- Gostaria que ela me achasse excitante.
Demetria olhou-o de lado. Por uma noite já tinha suportado o suficiente. Em pequenas doses, até o Tom era um sujeito aceitável mas a companhia dele já estava começando a ficar indigesta e ela não tinha mais estômago para ouvir lamúrias.
...


- Eu deveria ter quebrado a cara dele!
- Isso ia ajudar muito mesmo!
Era só olhar para Joe Harris para saber que, se houvesse um confronto entre os dois, Tom cairia estatelado no chão no primeiro round. E Camilla adorava vencedores. Teria lançado um olhar de piedade desdenhosa a Tom e ficaria ainda mais deslumbrada por Joe.
Claro que não podia dizer isso ao rapaz. Seu ego já tinha sido bastante massacrado por uma noite.
- O que é que ele tem que eu não tenho?
Demetria preferiu não responder. Levaria a noite inteira para explicar. Olhando-a acusadoramente, ele a queixou:
- Você tinha dito que não gostava dele.
- Disse e sustento. - Virou na esquina da rua onde ele morava - Vou deixar você em casa e ficar com o carro até amanhã. Você não se importa de ir buscar logo cedo, não é?
- Está bem. Acredito que você não goste dele.
- Detesto, se quer saber.

Pronto.
Comentem por favor! Espero que estejam a gostar da história.

Beijos.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Capitulo 2 - Parte 4

Olá a todos!
Seja bem - vinda Adrielly :) Espero que continue gostando do blog.
Aqui está pronta a parte 4 do capitulo 2.
Espero que gostem.

Anteriormente:

- Devo tomar isso como um elogio?
- Foi só uma constatação. A seu modo, você é tão estonteante como sua irmã, mas, se eu soubesse, nunca poderia imaginar que as duas têm o mesmo sangue. Você é mais do que um desafio.
- E é isso que as mulheres representam para você? Um desafio?
...


- Oh, elas têm um cantinho reservado na minha vida. Mas confesso que me canso facilmente. Acho que as mulheres têm um valor muito fugaz em matéria de divertimento.
Aquilo confirmava o que ela já tinha ouvido falar dele.
- E depois que se cansa?
- Eu lhes dou um beijo de despedida e as acompanho até a porta da rua. Sou um homem muito ocupado para perder tempo com subtilezas.
Era fácil imaginar como tinha conseguido fascinar Camilla. As vitórias da irmã sobre outros homens deviam ter estimulado o desejo dele.
- Você é uma espécie de computador do amor, não? Mas Camilla é muito jovem e não deve ser ferida.
Joe ergueu as sobrancelhas.
- Tenho a impressão de que não conhece sua irmã muito bem. Ela é como uma labareda. Não vai se sentir ferida se eu a mantiver acesa durante toda a viagem a Paris.
Demetria procurou uma resposta a altura para aquele insulto mas não encontrou.
- No seu lugar, Srta. Demetria Smith, eu cuidaria da minha própria vida. Posso garantir que sua irmã tem uma pele bem curtida, difícil de arranhar com uma só dentada.
Antes que ela pudesse dizer alguma coisa, Camilla apareceu inesperadamente ao lado deles.
- Ah, vocês já se apresentaram. - disse com visível desgosto.
- Você não tinha me contado que sua irmã era uma moça tão bonita.
Mas Camilla não parecia ter o mesmo senso de humor.
- Vamos dançar. - quase ordenou puxando-o pelo braço.
Tom estava no encalço de Camilla e, ao ver o outro homem bloqueando seu caminho, apertou os maxilares. Parecia fora de si, e Demetria receou que fosse fazer uma cena. Segurou o braço dele rapidamente.
- Estou com uma forte dor de cabeça. Podemos ir embora agora?
Tom pareceu não gostar da interferência mas estava perturbado demais para recusar o pedido.
- Claro. - respondeu desanimado permitindo que Demetria o arrastasse para longe dali.
Com muito custo, acabou por convencê-lo a deixar que dirigisse o carro.
- Não vai querer ser multado por excesso de velocidade, vai?
Tom afundou no assento, derrotado.
- Agora, você sabe o que eu queria sentir quando falava dele.
- Se sei!
- E qual a sua opinião?
- Vamos deixar isso pra outra hora.
Tom deu um suspiro vindo do fundo da alma.
- Camilla está apaixonada por ele.
- Negativo! - disse Demetria com segurança.
Ele se endireitou no banco com a esperança brilhando nos olhos.
- Você acha que não?
- Acho.
Camilla tinha muito em comum com Joe Harris para se apaixonar por ele. Tinha razão: ela era uma labareda. Inflamava-se à toa mas o fogo durava pouco. E tinha a pele bastante dura para deixar que alguém a machucasse. Gostava demais da imagem que fazia de si mesma. Só queria namorar Joe por vaidade. Se ele tivesse um caso com ela e depois a largasse, Camilla não ficaria ferida. A não ser no amor próprio.
- Ela parece muito entusiasmada por ele. - Tom insistiu.
- Não nego que ela o ache muito excitante mas isso não tem nada a ver com amor.
- Gostaria que ela me achasse excitante.
Demetria olhou-o de lado. Por uma noite já tinha suportado o suficiente. Em pequenas doses, até o Tom era um sujeito aceitável mas a companhia dele já estava começando a ficar indigesta e ela não tinha mais estômago para ouvir lamúrias.


Pronto.
Peço desculpa pela imagem de Joemilla (Camilla + Joe) fãs de Jemi e Jashley mas era necessário para essa história uma imagem deles pelo menos uma vez.

Beijos.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Capitulo 2 - Parte 3

Olá a todos!
Obrigada pelos comentários.
Espero que gostem desta terceira parte do capitulo 2.

Anteriormente:

- Você só tem que depositar sua pensão no banco e dormir tranquila não é assim?
- Eu não recebo pensão.
- Não recebe? - era óbvio que não acreditava.
- Você não tem nada a ver com isso.
- Você deve ser farinha do mesmo saco. Apesar disso é muito diferente de sua irmã.
...


- Só posso agradecer. - respondeu recuperando o controle da situação.
Um estranho brilho iluminou aqueles olhos pretos. Demetria não podia garantir que fosse uma expressão de rancor.
- Imagino que seu pai desaprove meu relacionamento com Camilla.
- Não posso dizer que ele esteja exultante.
- Ele prefere Fields. Naturalmente, Fields é um tipo mais confiável: foi feito para o casamento.
- E você não?
Ele riu cinico.
- Oh, eu não! Fico contente que tenha percebido logo. Ela já disse que vai para Paris comigo?
Aquilo estava levando a guerra para o campo inimigo como uma estratégia de vingança.
Demetria sustentou o olhar zombeteiro com uma expressão glacial.
- Ela já contou.
- E o que você disse?
- Pergunte a ela.
- Vou perguntar. Tenho a impressão de que você desaprova. Mas ela é maior de idade. Se está com vontade de viajar comigo para Paris é problema dela não acha?
- Tirou as palavras da minha boca.
O rosto dele ficou perigosamente sombrio apesar de ainda manter aquele sorriso arrevezado.
- Ela vai e você sabe disso.
- Acha!
Demetria estava lutando para manter a voz neutra mas começava a ficar muito zangada. Ele tinha se mostrado hostil desde o momento em que descobriu que era filha de George Smith. Tinha falado sobre desavenças relativas a problemas da empresa mas Demetria pressentia que havia algo de mais pessoal naquilo tudo. Porquê?
- Sim ela vai. - ele repetiu.
- Se fosse você não apostaria nisso.
- Oh, se é o caso de apostas qual é o prémio que você oferece?
Ela corou.
- Não acho graça!
- Não pretendia ser engraçado. A sugestão é sua.
- Não devia levar a sério frases feitas. Sabe muito bem que não tive essa intenção.
- As mulheres nunca têm intenção de dizer coisa alguma. Elas sempre falam aereamente, sem saber o que estão dizendo.
- Eu nem sonharia em apostar se você vai ou não seduzir minha irmã. - respondeu surpresa de não estar conseguindo controlar o nervosismo. Ele parecia ter o dom de mexer com seu sistema nervoso.
- E o que a faz pensar que ainda não seduzi?
Demetria segurou-se para não perder a compustura.
- Se fosse assim, ela não estaria se vangloriando por ir com você a Paris.
- É muito perspicaz. Tem razão. Ela não faria isso. Nem eu. - fez uma pausa e acrescentou: - Mas vou conseguir.
- Parece que você acha isso muito engraçado.
- Eu não usaria essa palavra.
Demetria tinha uma variedade de outras palavras mais adequadas na ponta da língua mas a raiva era tanta que nenhuma delas pareceu bastante forte e ficou muda.
- Vamos, coragem! - provocou. Ela o fuzilou com o olhar e ele sorriu. - Saiba que posso ler sua mente.
- Ótimo. Assim me poupa o aborrecimento de dizer o que penso de você.
- Vá em frente. Como a maioria das pessoas, adoro que falem de mim.
- Você é um tipo muito presunçoso, Sr. Harris!
- E você tem uma voz muito melodiosa. Alguém já lhe disse isso?
Aquela observação a desarmou. Desviou o olhar com a impressão de que aquela era exatamente a reação que ele queria provocar.
- Muito fria e sensata. Seu olhar exprime tudo. Você é quase um iceberg. Não é mesmo? Pelo menos, na superfície.
- Devo tomar isso como um elogio?
- Foi só uma constatação. A seu modo, você é tão estonteante como sua irmã, mas, se eu soubesse, nunca poderia imaginar que as duas têm o mesmo sangue. Você é mais do que um desafio.
- E é isso que as mulheres representam para você? Um desafio?

Pronto.
O anónimo perguntou-me se seria Nelena ou Niley. Na verdade eu ainda não sei bem. Quem ganhou na pergunta ao lado foi Nelena no entanto o inicio da história será Niley. Só vendo o que irei escrever de seguida. Tenho que ver como a história irá fluir e como ficará melhor. O Nick aqui ainda não apareceu mas no caderno que estou escrevendo já tem o Nick e já existe um pequeno romance no meio de toda a vingança que existe na história.

Beijos.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Capitulo 2 - Parte 2

Olá a todos!
Espero que gostem da segunda parte do capitulo 2.

Anteriormente:

Ela decidiu deixá-lo afundar, pois, aparentemente, não tinha forças para salvá-lo do naufrágio.
- Não se importe comigo.
- Não se importe com ela. - repetiu Camilla com uma doçura melosa e o arrastou para o meio da sala.
...


Demetria resolveu tomar mais um drinque.
- Bem, parece que seu romance não durou muito, não é? - comentou Miley com um sorriso piedoso - Eu não podia ter prevenido que Camilla odeia abrir mão do que lhe pertence.
- Triste isso, não? - disse Demetria maliciosa, e virou as costas.
Alguns de seus amigos tinham acabado de chegar e foi em direção dos recém chegados quando alguém deu um passo atrás no momento em que ela ia passando e derrubou seu copo. uma mistura de gim e suco de laranja encharcou sua saia de veludo preto.
- Droga!
- Desculpe, fui um desastrado. - disse o homem agachando-se para verificar os estragos e tirando um lenço do bolso para secar a saia.
Demetria olhou por sobre aquela cabeça de cabelos negros.
- Pronto. Está tudo resolvido: a bebida não chegou a penetrar no tecido. - garantiu e a sua expressão mudou quando seus olhares se cruzaram.
Demetria o examinou calmamente, sem cerimónia. Alto, vestia camisa e calças pretas que alongavam ainda mais seu corpo. Os cabelos tinham um brilho de vitalidade. Demetria lembrou de Camilla acariciando aqueles cabelos enquanto dançava há pouco.
- Acho que não nos conhecemos, não é mesmo? - ele perguntou parecendo divertir-se com aquele exame prolongado - Se tivéssemos sido apresentados eu nunca a esqueceria.
Demetria aceitou o elogio, impassível. Sabia que também se lembraria dele. Era o tipo de homem que não passava despercebido. Agora podia entender porque Camilla se agarrava a ele.
- Sou Joe. - analisou-a dos pés à cabeça e, no final, sorriu como se aprovasse o que via.
Demetria resistiu valentemente à tentação de gostar dele.
- Eu sei.
Ele notou a frieza de sua voz e ergueu uma sobrancelha.
- Causei má impressão? Pois garanto que está enganada. Sou uma pessoa agradável de se conhecer.
- Vou lembrar disso. - prometeu Demetria dando meia volta.
Ele a agarrou pelo braço num aperto que, sem ser doloroso, deixava claro que não queria que fosse embora.
- Ei! Aonde vai? Nem me disse seu nome, nem deixou cair o sapatinho de cristal para que eu possa mandar um homem descobrir onde você mora.
- Ah! Você não vai precisar de um homem. Camilla pode lhe dar todos os detalhes a meu respeito.
Se não conhecesse a fama dele por certo ficaria envolvida por seu charme. Parecia muito seguro de si, seguro do efeito que causava nas mulheres.
- Camilla é sua amiga? - ela captou uma curiosidade nos olhos pretos dele - é manequim da loja onde ela trabalha? Você é suficiente magra e extremamente feminina mas seria bastante alta para a profissão? Bem, tem uma altivez que compensa a falta de estatura.
Demetria deu um sorriso entediado.
- Você já trabalhou para meu pai, não é mesmo? - perguntou partindo deliberadamente para o ataque.
Os olhos pretos dele se apertaram. Aproximando-se mais, encarou-a, sério.
- Você é Demetria Smith. Entendo...
- Imagino que tenha se indisposto com meu pai - disse Demetria com uma cortesia convencional que não conseguia disfarçar inteiramente seu antagonismo.
- Ele contou? Por acaso disse qual foi o motivo? Ele queria economizar no esquema de segurança da empresa e o índice de acidentes era perigosamente alto.
- Não me costumo envolver nos negócios de meu pai.
Até podia ser que Joe Harris tivesse razão nas acusações que fazia mas o pai nunca havia discutido esses assuntos com ela.
- E nem está interessada, não é? - seu olhar era de desprezo e censura - desde que os livros mostrem que a firma está dando lucros o resto não importa.
- Os lucros ou os prejuízos da empresa de meu pai não me afetam.
- Você só tem que depositar sua pensão no banco e dormir tranquila não é assim?
- Eu não recebo pensão.
- Não recebe? - era óbvio que não acreditava.
- Você não tem nada a ver com isso.
- Você deve ser farinha do mesmo saco. Apesar disso é muito diferente de sua irmã.

Pronto!

Beijos.

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Capitulo 2 - Parte 1

Olá a todos!

Primeira parte do capitulo 2.
Espero que gostem. Obrigada pelos comentários.



- O que acha dele? - perguntou Tom.
- Prefiro guardar meu julgamento para mais tarde.
- Gostaria de esmurrar aquele nariz. - Tom disse por entre os dentes.
- Vamos sentar um pouco? - Demetria não queria que Tom fizesse um papelão expondo-se ao ridículo na frente de Camilla. Além disso, ele dançava muito mal.
- Sentar onde? - a sala estava superlotada.
- Por enquanto vamos arranjar um lugarzinho encostados na parede - ela sugeriu empurrando-o delicadamente.
- A música está alta demais. - reclamou Tom vasculhando a sala a cada segundo procurando Camilla.
Comunicar-se com ele já estava se tornando uma tarefa dificil. Parecia perdido dentro do seu sofrimento sem ter o que dizer de aproveitável.
- É um rock da pesada. - esclareceu Demetria.
Ele olhou para ela com o copo na mão.
- Bonita roupa.
- Obrigada.
Demetria começou a rezar para que ele não ficasse totalmente embriagado. Positivamente, não se sentia disposta a lidar com um homem naquelas condições.
- Sabe que você é uma linda moça? - Tom elogiou num tom quase agressivo - Muito bonita mesmo.
- Mais uma vez obrigada.
Pressentiu que ele ia se tornar inconveniente. No momento só estava fazendo os primeiros ensaios mas logo passaria dos limites. Camilla surgiu de repente ao lado deles e olhou para a irmã sem grande simpatia.
- Estão se divertindo?
A pergunta era maldosa mas Demetria sorriu amavelmente.
- Muito. É uma festa fabulosa. Estamos adorando.
- Sim, fabulosa. - Tom repetiu, esforçando-se para parecer sincero.
Camilla olhou-o  e sussurrou:
- Você não dançou comigo nem uma vez.
O pobre homem ficou vermelho e mudo de espanto.
- Agora dance comigo. - ela convidou fazendo beicinho.
Justiça seja feita. Tom tentou valentemente opor resistência. Ficou tenso e balbuciou:
- Ora...eu...bem...
Camilla abraçou-o colando o corpo ao dele.
Então é isso? Pensou Demetria. Era aquela maneira desinibida que tanto atraía Tom? Ele era tão tímido que o oposto devia causar-lhe um efeito demolidor.
- Então, não quer dançar comigo? - Camilla insistiu com um olhar encantador de serpentes.
Tom engoliu em seco e virou-se para Demetria como um afogado prestes a submergir.
Ela decidiu deixá-lo afundar, pois, aparentemente, não tinha forças para salvá-lo do naufrágio.
- Não se importe comigo.
- Não se importe com ela. - repetiu Camilla com uma doçura melosa e o arrastou para o meio da sala.

Pronto!

Comentem.

Beijos.

Novo selo

Aqui tenho mais um selo.
Obrigada Amandinha.






Repasso para:

L'amour, La vie et nous



quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Capitulo 1 - Parte 10

Olá a todos! Está pronta a parte 10 e última do capitulo 1.
Decidi colocar o capitulo 1 até ao momento em que a Demi vê o Joe. Peço desculpa por todas essas partes. Obrigada pelos comentários.

Anteriormente:

- Por favor, não abuse - sussurrou no ouvido dele quando saíram abraçados para o meio da sala.
- Estou farto! Na verdade, o que eu queria mesmo era me jogar de cabeça no rio mais próximo.
- Pobrezinho! - Demetria reprimiu uma risada.
- Se você tivesse se apaixonado pelo menos uma vez na vida não seria tão pouco compreensiva.
...


- É um inferno não é? - Demetria não conseguia levar aquele amor a sério. A cara dele não ajudava.
- Não ria! - ele zangou.
- Sinto muito.
Tom estava tentando acompanhar os movimentos graciosos da parceira mas seu corpo não obedecia. Olhou-a mais amuado ainda. Demetria era esbelta, com cabelos semilongos e naturalmente encaracolados, num rosto de traços finos e bem proporcionados. O nariz era pequeno e os grandes olhos castanhos muito expressivos. Parecia frágil e despertava nos homens o instinto de proteção até eles descobrirem o que se escondia atrás daquela aparência enganadora. E sempre acabavam ofendidos por ela não ser aquela criaturinha meiga e maleável que imaginavam.
sua voz tinha um belo timbre mas podia, às vezes, tornar-se tão zombeteira a ponto  de fazer com que alguns homens se sentissem diminuídos. Nunca tinham certeza se estava rindo deles ou não, mas sempre temiam que estivesse e não gostavam disso. Demetria havia crescido num lar onde as emoções eram mal vistas. A mãe sempre foi severa e ausente e o pai indiferente. De forma que ela aprendeu a reprimir suas emoções e a julgar a dos outros à distância. Via as pessoas de maneira fria e racional e os homens ressentiam-se dessa atitude. Seu tipo ajudava a formar a imagem de mulher fria. Para ela, apaixonar-se, como observadora nos outros era algo ridículo e doloroso e sempre evitava se envolver. Olhando para Tom, ponderou a que extremos podia levar uma paixão. O amor era um sentimento irracional e despudorado.
- Ela é tão linda - o rapaz comentou, rouco - E agora está com ele, com aquele nojento!
Demetria deu um jeito de ficar de frente. Camilla também estava dançando com o rosto iluminado de felicidade. Seu par, inclinado sobre ela, olhava-a dentro dos olhos. Ao vê-lo, Demetria teve uma estranha sensação. Depois de tudo que tinha ouvido falar dele, Joe Harris era uma surpresa. Seu perfil moreno e bonito não denunciava aquela espécie de fraqueza indulgente que ela esperava ver. Não havia nada em sua aparência que desse uma pista da melhor maneira para lidar com ele. De repente, Joe deu uma risada de alguma coisa que Camilla disse e jogou a cabeça para trás tornando visíveis seus olhos pretos. Demetria lembrou de um gato, mas não um gato doméstico - um felino selvagem, um animal perigoso, movimentando-se com aquela graça indolente que antecede o bote fatal. Camilla o olhava como hipnotizada e ele também a fitava com a placidez do tigre satisfeito.


Está acabado.

Beijos.

Meu primeiro selo

Olá a todos! Ganhei meu primeiro selo! Obrigada Diana.



1º Passo: Falar cinco coisas sobre você.
2º Passo: Falar como vai terminar sua História e como veio a inspiração para fazê-la.
3º Passo: Dizer o seu maior sonho.
4º Passo: Repassar para cinco blogs.

1º - 5 coisas sobre mim:
1- Sou Bipolar.
2- Já tentei suicidio.
3- Não fumo nem bebo. Sou proíbida de fazer isso por causa dos comprimidos que tomo da bipolaridade.
4- Adoro chocolate.
5- Amo a Cher Lloyd.


2º - A inspiração veio de um livro e do meu casal preferido: Zanessa (sim não é Jemi o meu casal preferido. Originalmente até iria colocar Zanessa o casal principal mas mudei de ideia). Como vai terminar a história: espero que em bem né? Isso claro que vai.

3º - Tenho muitos.

4º - Repassar para 5 blogs.






Beijos.


segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Capitulo 1 - Parte 9

Olá a todos! Obrigada pelos vossos comentários. Aqui está pronta a parte 9 do capitulo 1.

Anteriormente:

Demetria achou que, afinal, ele tinha mais senso de humor do que imaginava.
Como previa, Camilla pareceu chocada quando deu de cara com Tom.
...


Demetria pegou na mão dele na hora em que a porta foi aberta e sorriu alegremente para a irmã.
- Alô! Trouxemos algumas bebidas!
- O que ele faz aqui? - perguntou Camilla a meia voz.
- Tom e eu jantamos juntos. E então resolvi trazê-lo. Você está muito bonita. Não acha Tom?
Camilla estava mais do que bonita. Estava deslumbrante, numa calça de veludo que parecia ter sido costurada no corpo e com uma blusa de seda preta. Sua aparência era realmente exuberante, os olhos brilhavam e a cabeleira solta moldava o lindo rosto.
Tom deu-lhe um rápido olhar de apreciação.
- É...está fantástica - concordou, e virando-se para Demetria: - Mas você também está. Já lhe disse isso antes.
Demetria retribuiu com um olhar lânguido.
- Não me importo que repita.
- Melhor assim pois pretendo continuar sendo repetitivo por muito tempo - respondeu, e Demetria ficou admirada com seu talento de ator.
Camilla olhou de um para o outro muito séria. Nesse momento, alguém do grupo, que já enchia a sala, a chamou.
Demetria arrastou Tom para o meio dos convidados, Miley estava do outro lado da sala preparando drinques e os recebeu com uma expressão de alivio quando viu as garrafas que tinham levado.
- Chegaram em tempo. Nossa adega estava nas últimas.
Miley era secretária de uma das maiores companhias aéreas de Inglaterra. Esguia, calma e ponderada, parecia uma estranha escolha para amiga de Camilla. Muitas vezes Demetria esperou que o bom senso de Miley influenciasse a irmã mas ela não dava mostras de sofrer qualquer influência benéfica.
- Se você tivesse um pouco de juízo não apareceria por aqui. Porque não a esquece de uma vez por todas? - disse Miley olhando para Tom com desaprovação.
- Já fiz isso - ele respondeu muito tranquilo passando o braço pela cintura de Demetria.
- Oh, desculpe, eu não sabia. - Miley encarou Demetria perplexa. - Bem, então divirtam-se.
- É o que vamos fazer. - garantiu Tom pegando um uísque que tomou de um só trago - Vamos dançar - convidou colocando o copo na mesa.
Demetria sentiu-se como alguém que, por descuido, tivesse deixado o génio escapar da garrafa.
- Por favor, não abuse - sussurrou no ouvido dele quando saíram abraçados para o meio da sala.
- Estou farto! Na verdade, o que eu queria mesmo era me jogar de cabeça no rio mais próximo.
- Pobrezinho! - Demetria reprimiu uma risada.
- Se você tivesse se apaixonado pelo menos uma vez na vida não seria tão pouco compreensiva.

Está acabado.

Comentem! Pela Demi eheh!


Beijos.